Hábitos Alimentares Saudáveis - Como introduzi-los

 
Nós seres humanos, desenvolvemos hábitos durante a nossa vida toda, principalmente na primeira infância. Se quisermos que os nossos filhos possuam hábitos alimentares saudáveis, é necessário que nós, adultos os tenhamos também. As crianças compreendem aquilo que observam e não aquilo que ouvem. Se não quero que o meu filho tome refrigerantes, eu não devo toma-los. Quando a família, principalmente a mãe, possui hábitos alimentares saudáveis, o bebê começa a receber essas informações desde o aleitamento materno até a observação deste pelo pai, irmãos e demais membros do convívio familiar.

O primeiro contato do nosso filho aos sabores do alimento, na verdade, começa quando ele ainda se encontra no útero. Pesquisas mostram que mulheres grávidas com dietas diversificadas costumam dar à luz a bebês mais abertos às experimentações alimentares diversificadas. Todo alimento que a mamãe introduz no estômago é sentido pelo bebê no leite; isto já foi comprovado. Então, a mamãe precisa ter muito cuidado com o que come desde a gestação até amamentação.

Desde o nascimento até os seis meses, o alimento do bebê será somente leite materno. É interessante lembrar que algumas mulheres por deficiência nutricional ou por dietas incorretas tendem a ter dificuldades na produção do leite, e, para resolver esse problema, é necessário que ela tenha um acompanhamento médico e talvez necessite de fazer usos de suplementações de vitaminas e ou de hormônios como a ocitocina que é responsável pela produção do leite. Se a mamãe teve uma dieta adequada durante a gestação, se alimentou bem, fez a suplementação vitamínica adequada, utilizou alguns nutrientes como ômega 3, será muito mais fácil para ela não sofrer qualquer tipo de depressão pós-parto ou de alguma desnutrição porque o momento do parto realmente é o momento onde o seu corpo sofre algumas intervenções que podem deprimir nutricionalmente o seu corpo.

Após os seis meses inicia-se, de acordo com a orientação do pediatra, as papinhas de legumes e as frutas raspadas. Atualmente, há uma proposta cujo nome leva as iniciais BLW - Baby Led Weaning ("desmame guiado pelo bebê", em tradução literal) que consiste em que o bebê decide o quanto irá comer, pois lhe é oferecido o legume ou a fruta em tamanho grande o suficiente para que o mesmo possa segurá-lo com as próprias mãos. O bebê tem autonomia para escolher o que quer e o quanto comer. Esse método de introdução alimentar batizado pela consultora em saúde britânica Gill Rapley, tem conquistado cada vez mais adeptos na Europa, nos Estados Unidos e, agora, no Brasil. É bastante interessante esta proposta, pois se trabalha a autonomia do bebê.

Algumas mamães de “primeira viagem” encontram certas dificuldades ao introduzir as frutas e legumes, pois há casos em que a criança rejeita e cospe o que lhe fora oferecido. Isso é normal, pois o bebê até então sugava o leite e a partir desse momento precisa fazer outros movimentos com a boca, língua e gengivas. É natural que a criança rejeite, mas a família não deve desistir e oferecer o leite, pois assim procedendo, tarda a introdução dos alimentos tão necessários na fase em que se encontra. O normal é oferecer de 12 a 15 vezes até que a criança pegue o oferecido. O pânico nesses casos é a pior escolha. Relaxe e volte a oferecer novamente a fruta ou legume. Caso isso ocorra, a proposta da médica inglesa seria uma boa pedida, pois o bebê sentirá na mão o que ira introduzir na boca.

Não há regra sobre os tipos de alimentos a serem apresentados primeiro. Normalmente as crianças preferem os sabores adocicados como a banana, pera, maçã, mandioquinha, abóbora. É importante não se limitar aos sabores de preferencia do bebê e sim introduzindo outros sabores como o azedo, o amargo e o salgado para que o bebê não se limite a esses alimentos somente. Vale aqui a mesma estratégia citada acima caso o bebê rejeite os novos sabores.

Nunca ofereça nada industrializado, pois esse tipo de alimento, na verdade, não é alimento, não nutre. Seja o mais natural e orgânico possível. Atualmente temos vários locais espalhados pela cidade onde encontramos alimentos orgânicos e pelo mesmo valor do alimento tratado com agrotóxicos. O nosso corpo necessita para cada grama de sódio, quatro gramas de potássio e esta quantidade existe somente nos alimentos orgânicos. Nos alimentos industrializados encontramos uma quantidade exagerada de sódio e nenhuma quantidade de potássio, o que leva um corpo a adoecer precocemente caso o mesmo se alimente da industria. É preferível levar os seus próprios alimentos em festinhas de aniversários a expor o seu filho ao perigo dos açúcares, chocolates e outras guloseimas que irão retardar a evolução natural do seu filho. Há muitas receitas na Internet sobre doces sem conter os açúcares da indústria. Procure adoçar com tâmaras e utilizar no lugar do chocolate o alfarroba.

Pense que o futuro do seu filho dependerá daquilo que ele ira vê-lo comer, e não dos conselhos que você irá lhe dar.

Autor:

Lincoln Emídio da Silva

Nutricionista, formado na UNIRP, atuando na Escola Ponto Alfa