A Escola do Futuro

Como deve ser a escola do futuro?

Imagine um espaço único, onde o aluno pudesse escolher com quem sentar e ao mesmo tempo olhar de frente para os demais colegas sem se importar com idade, série, maturidade.

Imagine uma discussão sendo levantada a respeito de relevos submarinos, onde cada um colocasse o seu conhecimento em questão, onde um levantasse um ponto, outro, um ponto a mais e assim o saber fosse crescendo como uma massa levedada.

Imagine projetos sendo levantados sobre problemas reais, com soluções possíveis.

Imagine um espaço onde as famílias pudessem permanecer tranquilas porque os seus filhos não seriam encaminhados para as filas das Ritalinas, transtornos disso, transtornos daquilo, déficit de atenção, hiperatividade, TOC, autismo e por aí vai...

O trabalho de uma escola deve ser artesanal. Não se pode esperar competência de uma geração cujo preparo seja de produção em escala. Humano não é lata. Humano pensa, possui sentimentos, aprecia o belo, o respeito, a segurança, gosta de responsabilidades, limites, princípios, valores.

Como podemos colocar 25 crianças com características e habilidades diferentes em uma mesma sala e esperar que todas respondam da mesma forma e tenham comportamentos iguais sendo que no futuro trilharão caminhos totalmente diferentes?

Devemos discutir mais projetos e ideias do que análises sintáticas, devemos montar projetos que apontem soluções sustentáveis em um mundo cinza ao invés de tentarmos mais uma vez descobrir o valor do "maldito" X. Há um mundo cheio de problemas aguardando seres criativos que apontem soluções. Grandes problemas são resolvidos por grandes mentes. Não há sentido algum mais em formatarmos crianças, devemos criar possibilidades para que elas desenvolvam as suas habilidades e talentos para que possam atuar com todas as suas forças para a reconstrução de um planeta melhor, humano e sustentável, onde a miséria e a injustiça não possam mais fazer parte dele. Idealista? Sim, tudo parte de uma ideia e se concretiza em sua realização através de sonhos, atitudes e determinações.

Crianças são únicas, exclusivas, cada qual com a sua peculiaridade, pensamentos, habilidades, talentos. O trabalho a ser feito deve ser como de um artesão que se demora ao idealizar a sua obra e que ao olhar para ela, a olha como sendo única, singular. Cada detalhe um especial cuidado, cada pincelada um pensamento...

Assim é a Ponto Alfa: professores como artesãos e cada aluno como o objeto principal de seu maior projeto, ou seja, a sua maior obra.